Busca Avançada

Total de ONGs Cadastradas: 210

Vencedora de Edital planeja expandir ações ambientais

Participante ativa da Rede de Organizações do Bem, a ONG Região de Oficina Nacional de Grafite Organizado (RONGO), foi uma das vencedoras do IV Edital de Microprojetos, iniciativa que tem como objetivo impulsionar e incentivar ações de outras organizações. Com a proposta de colocar novamente uma Kombi em funcionamento, o projeto da RONGO foi selecionado. Mas aquele não era um veículo qualquer. Usado na ação chamada Verde Vale, dedicada a atividades de conservação do meio ambiente, ele era utilizado para a coleta de materiais recicláveis na Pavuna, até que um dia foi roubado.

Quando a Kombi foi novamente encontrada, seu motor não funcionava mais. Ao saber do edital, a RONGO se candidatou para conseguir um novo motor e retomar o trabalho de coleta, que é realizado tanto na Pavuna quanto nos bairros adjacentes, passando por ruas, casas, escolas e locais como a Vila Olímpica e Arena Carioca, indo também até empresas, que doam o lixo de modo seletivo, ajudando a gerar renda para o projeto.

Depois de consertar o motor, os planos também continuaram andando. Hoje a ONG busca patrocinadores para a compra de uma prensa de reciclagem e um caminhão para intensificar o trabalho, incluindo a construção de um ecoponto de entrega voluntária, que já teve o uso de espaço autorizado pela Prefeitura. Neste ecoponto a ONG pretende montar um biodigestor para decomposição de lixo orgânico, gerando biogás para uma cozinha onde serão preparadas refeições a partir do reaproveitamento de alimentos dos mercados e da própria Feirinha da Pavuna. As refeições serão doadas aos moradores de rua da região. No local também será feita a troca do lixo por cupons comerciais, que serão aceitos nas lojas do entorno.

“Ainda não temos estrutura para alcançar o nosso objetivo de zerar o lixo reutilizando todo ele. Não por nós, mas por falta de patrocínio. Podemos afirmar que, por quinzena, retiramos do meio ambiente umas duas, três e, às vezes, cinco toneladas de resíduos que iriam para os aterros e que hoje transformamos em renda para nossa instituição e para as pessoas envolvidas no projeto”, diz Carlos André, Diretor-Presidente da instituição.